GILSONNETO.COM

Bolsonaro fará reunião com ministros para discutir preços da Petrobras

Diretoria da estatal também participará

Sérgio Lima/Poder360

O porta-voz da Presidência da República, general Otávio Rêgo Barros, disse nesta 6ª feira (12.abr.2019) que o presidente Jair Bolsonaro convocou para a próxima 3ª feira (16.abr) reunião com ministros e técnicos da estatal para tratar sobre os preços dos combustíveis.

De acordo com o porta-voz, a reunião será no Palácio no Planalto e tem o intuito de discutir os aspectos técnicos da decisão.

A Petrobras desistiu nesta 5ª feira (11.abr) de aumentar o preço do diesel nas refinarias após fazer o anúncio mais cedo. De acordo com o portal G1, o recuo ocorreu após uma determinação de Bolsonaro. Para justificar a decisão de manter o preço, a estatal afirmou que “há margem” para adiar o aumento do combustível por “alguns dias”.

Bolsonaro disse nesta 6ª que ligou para o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, e pediu que o preço do diesel nas refinarias não fosse aumentado.

“Eu liguei para o presidente sim. Me surpreendi com o reajuste de 5.7%. Não vou ser intervencionista. Não vou praticar a política que fizemos no passado, mas quero os números da Petrobras”, afirmou Bolsonaro.

A declaração foi dada em Macapá (AP), após inauguração de aeroporto no Estado junto com o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP). As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Rêgo Barros reforçou que o capitão reformado não quer intervir na política de preços:

“Por princípio o senhor presidente da República entende que a Petrobras é uma empresa de capital aberto sujeita às regras de mercado e não deve sofrer interferência política em sua gestão. Aliás, essa é uma das razoes para a crise dos governos passados e que quase destruiu aquela empresa”.

Mas defendeu a decisão tomada pelo presidente de não aumentar o preço do diese nas refinarias. “No entanto, em face do impacto sob a população do ajuste anuncia, cerca de 5,7%, ele recomendou aguardar a implantação”, disse.

Fonte

Poder 360
  • Compartilhe
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no WhatsApp

Bolsonaro fará reunião com ministros para discutir preços da Petrobras

Poder 360

O porta-voz da Presidência da República, general Otávio Rêgo Barros, disse nesta 6ª feira (12.abr.2019) que o presidente Jair Bolsonaro convocou para a próxima 3ª feira (16.abr) reunião com ministros e técnicos da estatal para tratar sobre os preços dos combustíveis.

De acordo com o porta-voz, a reunião será no Palácio no Planalto e tem o intuito de discutir os aspectos técnicos da decisão.

A Petrobras desistiu nesta 5ª feira (11.abr) de aumentar o preço do diesel nas refinarias após fazer o anúncio mais cedo. De acordo com o portal G1, o recuo ocorreu após uma determinação de Bolsonaro. Para justificar a decisão de manter o preço, a estatal afirmou que “há margem” para adiar o aumento do combustível por “alguns dias”.

Bolsonaro disse nesta 6ª que ligou para o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, e pediu que o preço do diesel nas refinarias não fosse aumentado.

“Eu liguei para o presidente sim. Me surpreendi com o reajuste de 5.7%. Não vou ser intervencionista. Não vou praticar a política que fizemos no passado, mas quero os números da Petrobras”, afirmou Bolsonaro.

A declaração foi dada em Macapá (AP), após inauguração de aeroporto no Estado junto com o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP). As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Rêgo Barros reforçou que o capitão reformado não quer intervir na política de preços:

“Por princípio o senhor presidente da República entende que a Petrobras é uma empresa de capital aberto sujeita às regras de mercado e não deve sofrer interferência política em sua gestão. Aliás, essa é uma das razoes para a crise dos governos passados e que quase destruiu aquela empresa”.

Mas defendeu a decisão tomada pelo presidente de não aumentar o preço do diese nas refinarias. “No entanto, em face do impacto sob a população do ajuste anuncia, cerca de 5,7%, ele recomendou aguardar a implantação”, disse.