GILSONNETO.COM

MENU
Logo
Sexta, 18 de setembro de 2020
Publicidade
Publicidade

Brasil

Igreja Universal foi usada para lavar dinheiro de corrupção, diz MP

Instituição nega as acusações

24
Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro) encontrou indícios de movimentações bilionárias atípicas da Igreja Universal do Reino de Deus e afirmou que a instituição religiosa está sendo usada para lavar dinheiro obtido com corrupção na Prefeitura do Rio. A informação é do G1.

O prefeito Marcelo Crivella é bispo licenciado da instituição religiosa. De acordo com a reportagem, o MP investiga 1 suposto “QG da propina” na administração municipal. Os documentos foram enviados à Justiça em 2 de setembro deste ano.

Um relatório de inteligência do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) anexado à investigação aponta que, entre maio de 2018 e abril de 2019, a Igreja Universal movimentou de forma “atípica” R$ 5,9 bilhões.

O documento não detalha o funcionamento da suposta lavagem de dinheiro. No entanto, o sub-procurador geral de Justiça de Assuntos Criminais e de Direitos Humanos do MP-RJ, Ricardo Ribeiro Martins, cita as movimentações atípicas da Igreja, a vinculação de Crivella com a instituição e o envolvimento de Mauro Macedo no crime.

Mauro Macedo coordenou campanhas políticas de Crivella e foi citado em delações firmadas no âmbito da Operação Lava Jato. Ele é primo do fundador da Igreja Universal, Edir Macedo. De acordo com o Ministério Público, Mauro era responsável por aliciar empresários para participar dos esquemas de corrupção na Prefeitura do Rio.

Segundo o G1, Rafael Alves, suposto operador do prefeito do Rio, enviou mensagens a bispo licenciado expressando sua insatisfação com medidas adotadas na Prefeitura e ameaçava revelar  “todos os esquemas de corrupção e lavagem de dinheiro” , com a “direta participação de Marcelo Crivella, sua família e a igreja”. 

OUTRO LADO

Em nota à Globo, a Igreja Universal do Reino de Deus disse que não foi notificada sobre as denúncias e que ignora a existência do documento relativo a elas. Afirmou que toda a sua movimentação financeira é lícida e declarada.

Também disse que qualquer bispo ou pastor que decide ingressar na carreira política licencia-se de suas funções na igreja, passando a atuar exclusivamente na atividade pública.

A instituição afirmou que não há nenhuma relação financeira entre Marcelo Crivella, suas campanhas políticas e a igreja, e que não participa direta ou indiretamente de atividades político-partidárias no Brasil e em nenhum dos outros países onde desenvolve atividade missionária.

Disse ainda que “nenhuma instituição religiosa brasileira foi tão perseguida, atacada, fiscalizada e julgada como a Universal”, e que em todos os procedimentos, a Igreja e seus oficiais foram inocentados. Fala ainda que investigação é fruto de preconceitos contra cristãos.

O prefeito Marcelo Crivella declarou que não há nada no processo que descreva qualquer ato ilícito praticado por ele e que nada foi encontrado nas buscas em sua casa, no gabinete, em banco ou no celular.

Fonte/Créditos: Poder 360

Créditos (Imagem de capa): Reprodução/WikimediaCommons

Comentários: