GILSONNETO.COM

MENU
Logo
Segunda, 26 de outubro de 2020
Publicidade
Publicidade

Agropecuária

Justiça Federal condena 3 pessoas na 1ª sentença da Carne Fraca

Operação deflagrada em 2017

333
Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

A 1ª sentença da Operação Carne Fraca, deflagrada em março de 2017, saiu nesta 6ª feira (27.jul.2018). O juiz Marcos Josegrei da Silva, da 14ª Vara Federal de Curitiba, condenou 3 pessoas. A operação investiga esquema de corrupção na fiscalização de carnes pelo país. Eis a íntegra da decisão.

Foram condenados:

  • Gil Bueno de Magalhães: o ex-superintendente regional do Ministério da Agricultura (Mapa) no Paraná foi condenado a 7 anos, 9 meses e 15 dias de prisão. Ele é investigado pelos crimes de advocacia administrativa, corrupção passiva, peculato e uso de atestado médico falso;
  • Antonio Garcez da Luz: o ex-chefe do escritório do Mapa em Foz do Iguaçu foi condenado a 4 anos e 1 mês pelos crimes de corrupção passiva e peculato culposo;
  • Carlos Alberto de Campos: o assistente administrativo foi condenado a 3 anos e 8 meses por peculato

Os 3 foram condenados por irregularidades no âmbito da Superintendência Federal de Agricultura no Estado do Paraná, do Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento).

A denúncia do MPF (Ministério Público Federal), Magalhães usou o cargo para atender a interesses de uma empresa. Ele também é acusado de praticar o crime de corrupção passiva, junto a Antonio Garcez da Luz, ao valer-se do cargo para solicitar vantagem indevida.

Os procuradores apontam que, em troca de favores, os 2 pediam e usavam carros de uma empresa para fins pessoais, como viagens para Argentina e Paraguai.

Os 3 teriam se apropriado de ao menos parte de uma carga contrabandeada de picanha e camarão, de procedência estrangeira ilegal, de que tinham posse justamente em razão de seus cargos públicos.

A Operação Carne Fraca tem 3 fases deflagradas pela Polícia Federal. Foram cumpridos 309 mandados judiciais em 6 estados e no Distrito Federal.

ABSOLVIDOS

O juiz absolveu 4 na ação penal: Arlindo Alvares Padilha Júnior (policial federal, absolvido da prática do crime de peculato); Guilherme Dias de Castro (agente de atividades agropecuárias, absolvido da prática do crime de peculato); Cláudia Yuriko Sakai (empresária, absolvida da prática do crime de corrupção passiva) e Edson Luiz Assunção (agente de atividades agropecuárias, absolvido da prática do crime de peculato).

Fonte/Créditos: poder360.com.br

Comentários: