GILSONNETO.COM

Justiça proíbe novas construções na Praia da Caueira

Obras que estão em curso na região devem ser paralisadas e o acesso dos cidadãos à praia liberado.
Justiça proíbe novas construções na Praia da Caueira
53

OUVIR NOTÍCIA

O juiz federal titular da 7ª Vara Federal de Sergipe, Rafael Soares Souza, emitiu decisão, na qual foi deferida liminar, referente à Ação Civil Pública n.º 0803302-03.2018.4.05.8502, impetrada pelo Ministério Público Federal (MPF) em face da União, do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama/SE), do Estado de Sergipe, da Administração Estadual do Meio Ambiente (Adema) e do município de Itaporanga D'Ajuda/SE.

Na ACP, o MPF alega que a Praia da Caueira, localizada no município de Itaporanga D'Ajuda, está inserida em área de preservação permanente e que no local há um berçário de espécies de tartarugas marinhas em risco de extinção. Entretanto, na praia existem loteamentos e ocupações, em grande parte casas de veraneio, que impactam diretamente no meio ambiente.

De acordo com o MPF, teria havido, ainda, invasão da propriedade pública federal e exercício ineficiente do poder de polícia ambiental e no controle e ordenamento do uso do solo. Tudo isso, de acordo com o órgão, possibilitou a ocupação de terrenos da União na área, acarretando privatização do espaço público e a degradação do meio ambiente.

Decisão

O magistrado deferiu parcialmente a antecipação de tutela provisória de urgência, determinando a vedação de novas construções e paralisação das que estão em curso na Praia da Caueira; a imediata remoção dos obstáculos encontrados em áreas comuns (cercas, tapumes, muros etc) que inviabilizem ou dificultem o acesso dos cidadãos à praia; e o levantamento de dados em toda a extensão do local, definindo, por exemplo, as áreas de preservação permanente e terrenos de marinha.

O magistrado determinou, ainda:

a) notificação/autuação dos ocupantes da Praia da Caueira pelos réus (Prefeitura de Itaporanga D'Ajuda, ADEMA, IBAMA E UNIÃO) com possibilidade de regularização das ocupações; além do exercício do poder de polícia na área;

b) apresentação pelo MPF de lista dos potenciais réus já identificados (ocupantes irregulares) para posterior ajuizamento de ações individuais, conforme procedimento adotado na Ação Civil Pública da Praia do Saco.

O juízo da 7ª Vara Federal ressaltou que os réus devem observar a situação concreta de cada um dos ocupantes, devendo cada caso ser discutido na via e foro adequados. Em caso de descumprimento das determinações anteriores, cada réu deverá pagar multa diária de R$ 1 mil, por cada dia de atraso, sem prejuízo de outras medidas.

Ascom/JF

Fonte

Jornal da Cidade

Comentários

Quer mais artigos e as newsletters editoriais no seu e-mail?

Receba as notícias do dia e os alertas de última hora.
[CARREGANDO...]

Confira mais Notícias

Alagoas
Homem é assassinado com seis tiros em Maceió
Homem é assassinado com seis tiros em Maceió
VISUALIZAR
Aracaju
Jacaré é encontrado nos lagos da Orla da Atalaia
Jacaré é encontrado nos lagos da Orla da Atalaia
VISUALIZAR
Mundo
Trump começa campanha pela reeleição já com 25 pré-candidatos lançados
Trump começa campanha pela reeleição já com 25 pré-candidatos lançados
VISUALIZAR
Brasília
Em semana de São João, discussões sobre Reforma da Previdência seguem na Câmara
Em semana de São João, discussões sobre Reforma da Previdência seguem na Câmara
VISUALIZAR
Municípios
Município de Itabi realiza São João, hoje a partir das 18h00
Município de Itabi realiza São João, hoje a partir das 18h00
VISUALIZAR
Brasília
Comissão analisa indenização para Dilma Rousseff de R$ 10 mil por mês
Comissão analisa indenização para Dilma Rousseff de R$ 10 mil por mês
VISUALIZAR