GILSONNETO.COM

MENU
Logo
Sexta, 18 de setembro de 2020
Publicidade
Publicidade

Política

Mourão quer continuar com Bolsonaro em 2022

‘Estou trabalhando pra isso’

18
Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

O vice-presidente Hamilton Mourão disse que gostaria de concorrer, novamente, numa chapa com Jair Bolsonaro nas eleições de 2022. A declaração foi dada no sábado (12.set.2020), em entrevista ao programa O Ponto, da CNN.

“Estou trabalhando pra isso. Venho apoiando todas as iniciativas do presidente, venho procurando facilitar o caminho dele, sendo leal para todas as coisas que ele necessita […] Se ele desejar minha companhia para 2022, marcharemos de passo certo”, afirmou.

Em relação à disputa entre direita e esquerda nas eleições, Mourão avaliou que, no campo da direita, Bolsonaro “nada de braçada”. Disse que a esquerda vai tentar construir uma candidatura viável, que “hoje não tem”.

Sobre o Sergio Moro, ex-ministro da Justiça de Bolsonaro, Mourão acredita que ele terá “um longo caminho” caso queira se candidatar à Presidência.

“Ele vai ter de se filiar a um partido […] Tem um longo caminho. E se manter no imaginário popular ao combate à corrupção. Temos de aguardar o desenrolar das ações, mas de maneira geral é um nome que sempre é lembrado por parcela da população”.

Amazônia

Para Mourão, as queimadas que estão ocorrendo na região não são “padrão Califórnia”, referindo-se aos incêndios que também têm ocorrido no Estado norte-americano.

“Vários focos juntos é que vão constituir um incêndio, dependendo da área em que estiverem localizados […] Qualquer área acima de 47 graus vira foco de calor; uma fogueira vira foco de calor, mas não é incêndio. Não estou desmistificando nada, mas temos de dar a devida proporção ao que está acontecendo na Amazônia”, disse.

Mourão afirmou que objetivo do governo do presidente Jair Bolsonaro é reduzir as taxas de queimadas e desmatamento na Amazônia Legal a 10% dos níveis históricos.

“Temos de realizar todas as operações necessárias, no sentido de que haja essa redução, lembrando que a repressão pura e simples não contribuirá sozinha para isso. Isso passa pela conscientização das pessoas e também pela regularização fundiária, que é fundamental para a gente combater as ilegalidades, além de desenvolver atividades econômicas na região”.

Cortes orçamentários

Para o vice-presidente, o corte orçamentário no Ministério do Meio Ambiente “não foi tão grande”. Falou que o trabalho de combate ao desmatamento e às queimadas na Amazônia não se resume somente à pasta.

“Por exemplo, a regularização fundiária está com o Ministério da Agricultura e a questão da proteção de terras indígenas está com a Funai; são vários organismos que também têm recursos e esse é o trabalho do Conselho da Amazônia, fazer com que os trabalhos tenham sinergia”.

#DefundBolsonaro

Sobre a campanha que tomou as redes sociais na semana passada, Mourão disse que se trata de um trabalho de “oposição política contra o Brasil” . E que é preciso responder com trabalho e ações.

Mourão acrescentou que Bolsonaro deu uma resposta “enfática e pragmática” para lidar com a questão do desmatamento na Amazônia, ao criar o Conselho da Amazônia, que permite a “sinergia” dentro do governo para lidar com a questão.

“Por que a pressão é só sobre a parte brasileira? Não tem desmatamento na Bolívia, na Colômbia, no Peru? Há um jogo geopolítico pesado, onde também participam empresas, que por sua vez, também são pressionadas pela agenda ESG [investimentos com foco em sustentabilidade].

Militares

Para Mourão, as Forças Armadas não receberam tratamento diferenciado na questão orçamentária. “Há 1 desconhecimento sobre as características da carreira militar […] Já tem uma reforma administrativa dentro da nossa carreira.”

O programa da CNN também entrevistou o vice-presidente nacional do PDT Ciro Gomes sobre o assunto. Ele disse que se presidisse o Brasil, “empoderaria muito pesadamente as forças de defesa”.

Fonte/Créditos: Poder 360

Créditos (Imagem de capa): Sérgio Lima/Poder360

Comentários: