GILSONNETO.COM

Presidente peruano afirma que deixará o poder ao fim de seu mandato

Em 30 de setembro, presidente Martín Vizcarra decidiu dissolver o Congresso.
Presidente peruano afirma que deixará o poder ao fim de seu mandato
Foto: Peruvian Presidency/Handout via Reuters
21

Presidente peruano afirma que deixará o poder ao fim de seu mandato

G1/Mundo

O presidente peruano, Martín Vizcarra, que dissolveu o Congresso há quase uma semana, afirmou em entrevista divulgada neste domingo (6) que não ficará no poder nem um dia além de 28 de julho de 2021, quando termina o seu mandato.

"Há uma clara intenção do meu governo e minha condição de presidente de respeitar explicitamente o prazo. De forma alguma permaneceremos além de 28 de julho de 2021", garantiu Vizcarra em entrevista ao jornal "El Comercio".

O presidente assinalou que "não há nenhum problema" em sua decisão de dissolver o Congresso ser vista no tribunal constitucional. "Respeitemos a competência de todas as instituições. De forma que, se em algum momento houver uma opinião do Tribunal Constitucional sobre este ou qualquer outro tema, iremos repeitá-la", assinalou.

Vizcarra também colocou panos quentes nas versões da oposição que apontam que seu governo caminha para um "comunismo vizcarrista" e que suas ações se assemelham a um "castrochavismo", garantindo que incentiva e respeita o investimento privado.

"A política econômica do governo se sustenta em promover o investimento privado com regras claras, sempre pedindo sustentação ambiental e social", assinalou. "Temos a confiança do empresariado, que segue confiando no Peru (...) Não falo apenas em grandes empresas, mas também nas pequenas."

Em 30 de setembro, o presidente dissolveu o Congresso, invocando suas faculdades constitucionais, a fim de acabar com os choques de poderes recorrentes e obstruções da maioria fujimorista, criticada, ainda, por amparar funcionários e magistrados investigados por corrupção. A medida teve o apoio de 89,5% dos peruanos, segundo uma pesquisa da empresa CPI.

Vizcarra substituiu na presidência o banqueiro Pedro Pablo Kuczynski (2016-2018), que renunciou por causa do escândalo de corrupção envolvendo a construtora brasileira Odebrecht.

O presidente ganhou popularidade ao promover uma cruzada contra a corrupção em um país onde os quatro chefes de Estado anteriores foram acusados de receber dinheiro da Odebrecht.

OUVIR NOTÍCIA

O presidente peruano, Martín Vizcarra, que dissolveu o Congresso há quase uma semana, afirmou em entrevista divulgada neste domingo (6) que não ficará no poder nem um dia além de 28 de julho de 2021, quando termina o seu mandato.

"Há uma clara intenção do meu governo e minha condição de presidente de respeitar explicitamente o prazo. De forma alguma permaneceremos além de 28 de julho de 2021", garantiu Vizcarra em entrevista ao jornal "El Comercio".

O presidente assinalou que "não há nenhum problema" em sua decisão de dissolver o Congresso ser vista no tribunal constitucional. "Respeitemos a competência de todas as instituições. De forma que, se em algum momento houver uma opinião do Tribunal Constitucional sobre este ou qualquer outro tema, iremos repeitá-la", assinalou.

Vizcarra também colocou panos quentes nas versões da oposição que apontam que seu governo caminha para um "comunismo vizcarrista" e que suas ações se assemelham a um "castrochavismo", garantindo que incentiva e respeita o investimento privado.

"A política econômica do governo se sustenta em promover o investimento privado com regras claras, sempre pedindo sustentação ambiental e social", assinalou. "Temos a confiança do empresariado, que segue confiando no Peru (...) Não falo apenas em grandes empresas, mas também nas pequenas."

Em 30 de setembro, o presidente dissolveu o Congresso, invocando suas faculdades constitucionais, a fim de acabar com os choques de poderes recorrentes e obstruções da maioria fujimorista, criticada, ainda, por amparar funcionários e magistrados investigados por corrupção. A medida teve o apoio de 89,5% dos peruanos, segundo uma pesquisa da empresa CPI.

Vizcarra substituiu na presidência o banqueiro Pedro Pablo Kuczynski (2016-2018), que renunciou por causa do escândalo de corrupção envolvendo a construtora brasileira Odebrecht.

O presidente ganhou popularidade ao promover uma cruzada contra a corrupção em um país onde os quatro chefes de Estado anteriores foram acusados de receber dinheiro da Odebrecht.

Fonte

G1/Mundo

Comentários

Quer mais artigos e as newsletters editoriais no seu e-mail?

Receba as notícias do dia e os alertas de última hora.
[CARREGANDO...]

Confira mais Notícias

Mundo
Cuba adota sistema partilhado do poder, sem renunciar ao socialismo
Cuba adota sistema partilhado do poder, sem renunciar ao socialismo
VISUALIZAR
Entretenimento
Malvino Salvador sobre casamento em Noronha: "Vai ter passeio de barco"
Malvino Salvador sobre casamento em Noronha:
VISUALIZAR
Polícia
DAGV registra mais de 11 mil inquéritos da Maria da Penha
DAGV registra mais de 11 mil inquéritos da Maria da Penha
VISUALIZAR
Municípios
Dois condutores são flagrados dirigindo com CNHs suspensas
Dois condutores são flagrados dirigindo com CNHs suspensas
VISUALIZAR
Sergipe
TRE cassa mandato da deputada estadual Diná Almeida
TRE cassa mandato da deputada estadual Diná Almeida
VISUALIZAR
Sergipe
Estado negocia compra de boias no valor de 100 mil para conter avanço das manchas de óleo em...
Estado negocia compra de boias no valor de 100 mil para conter avanço das manchas de óleo em Sergipe
VISUALIZAR