GILSONNETO.COM

Regalia do carro oficial é generalizada em todo o Poder Judiciário

No STF, foram gastos R$3,2 milhões em 14 carrões blindados

Foto: André Dusek

Se no Senado todos têm direito à mordomia do carro oficial e na Câmara ao menos 43 deputados são privilegiados pela regalia, no Judiciário a prática é generalizada. Mas há exceções. Cármen Lúcia, por exemplo, ao presidir o Tribunal Superior Eleitoral atormentava os seguranças ao volante do seu possante Monza, indiferente ao “direito” a carro oficial, principalmente quando trabalhava até altas horas. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

Foram adquiridos no Supremo 14 carrões blindados ao custo de R$3,2 milhões, mas há ainda outros 90 veículos na frota do tribunal.

O STF também fez licitação de R$ 1,14 milhão para contratar empresa para realizar a manutenção e higienização dos veículos do tribunal.

O Supremo Tribunal Federal também revelou que foram gastos em 2018 R$ 489,5 mil em combustível para carros oficiais.

A frota antiga do Supremo, com 88 carros fabricados entre 2004 e 2016, está toda segurada e custou ao contribuinte mais R$ 148 mil.

Fonte

Diário do Poder
  • Compartilhe
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no WhatsApp

Regalia do carro oficial é generalizada em todo o Poder Judiciário

Diário do Poder

Se no Senado todos têm direito à mordomia do carro oficial e na Câmara ao menos 43 deputados são privilegiados pela regalia, no Judiciário a prática é generalizada. Mas há exceções. Cármen Lúcia, por exemplo, ao presidir o Tribunal Superior Eleitoral atormentava os seguranças ao volante do seu possante Monza, indiferente ao “direito” a carro oficial, principalmente quando trabalhava até altas horas. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

Foram adquiridos no Supremo 14 carrões blindados ao custo de R$3,2 milhões, mas há ainda outros 90 veículos na frota do tribunal.

O STF também fez licitação de R$ 1,14 milhão para contratar empresa para realizar a manutenção e higienização dos veículos do tribunal.

O Supremo Tribunal Federal também revelou que foram gastos em 2018 R$ 489,5 mil em combustível para carros oficiais.

A frota antiga do Supremo, com 88 carros fabricados entre 2004 e 2016, está toda segurada e custou ao contribuinte mais R$ 148 mil.